LUTO: Museu Nacional

Eis a realidade das coisas.

É certo que, nesta hora de caos, isto promove comoção a nível internacional; porém, a reflexão sobre as causas que levaram a extinção total do Museu Nacional não são o foco deste simples texto de blog de viagem e sim enfatizar as consequências.

Todos nós sofremos com esse desastre; e o estrangeiro sofre conosco; o sofrimento proviniente de não conhecer nossa raiz e parte da nossa história. Sua visita cultural ao Rio de Janeiro passa a ser incompleta. Mas, no nosso caso, abrigando o maior acervo da América Latina… Ah, essa é uma perda imensurável!

Além dos 200 anos de história, foi-se junto a geologia, paleontologia, botânica, antropologia, arqueologia e todas coleções científicas estudas e catalogadas totalizando mais de 20 milhões de itens.

Importante ressaltar que foi no Museu Nacional que a Imperatiz Leopoldina assinou , dia 2 de setembro de 1822, a Declaração da Independência. Ironia do destino ou não, lá também teve a primeira Assembleia Constituinte da República, isto é, decretando oficialmente o fim do Império.

Digo isto para enfatizar que nossa história foi escrita entre as paredes do palácio, sob o olhar e a proteção dos anjos¹. Desde Colônia à República. Se agora não temos um passado, não há o que esperar para o futuro.

Por isso falo e repito:

Não deixe de viajar, não deixe de visitar todos os lugares que deseja, pois nunca sabemos quando não vão estar mais lá.

________________

¹Analogia ao teto decorado com imagens de anjos.

5 comentários sobre “LUTO: Museu Nacional”

  1. Pingback: Paraty, um problema nosso! - Ataides por aí

Deixe uma resposta